COMPROMETIMENTO DOS PODERES

As políticas de combate às drogas devem ser focadas em três objetivos específicos: preventivo (educação e comportamento); de tratamento e assistência das dependências (saúde pública) e de contenção (policial e judicial). Para aplicar estas políticas, defendemos campanhas educativas, políticas de prevenção, criação de Centros de Tratamento e Assistência da Dependência Química, e a integração dos aparatos de contenção e judiciais. A instalação de Conselhos Municipais de Entorpecentes estruturados em três comissões independentes (prevenção, tratamento e contenção) pode facilitar as unidades federativas na aplicação de políticas defensivas e de contenção ao consumo de tráfico de drogas.

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

ATLETISMO PARA VENCER AS DROGAS


Atletismo para vencer as drogas. Projeto tem como meta incentivar a paixão pelo esporte entre crianças e adolescentes de Erechim - JOSÉ QUINTANA JR. | RBS TV Erechim

Na luta contra as drogas e a violência, uma das alternativas para os jovens é o esporte. Em Erechim, um projeto social está apresentando aos adolescentes os primeiros passos do atletismo.

Alguns dos jovens ainda tropeçam na pista, mas isso é apenas um detalhe para quem sonha com um futuro melhor por meio da corrida. Eles lançam olhares atentos, tímidos e curiosos para cada movimento do atletismo. Com uma rotina de quatro horas de treinamento por semana, os estudantes se empolgam com a descoberta do esporte:

– O exercício de salto era difícil, mas agora está melhorando – relata Abiel dos Santos Rodrigues, 10 anos.

De acordo com o professor de Educação Física Andrigo Zaari, as atividades do projetam abrem novos caminhos para os participantes:

– Fomentar o esporte por meio da disciplina, da cooperação e respeito mútuo forma cidadãos e, muitas vezes, retira os jovens das margens de risco, como drogas e dos problemas sociais que enfrentamos.

Além do resgate social, o projeto pretende incentivar a paixão pelo atletismo e formar futuros campeões no esporte. Alguns alunos, como Rafael Muniz, 15 anos, imaginam seguir o caminho do recordista mundial nos 100 e 200 metros rasos, Usain Bolt.

– Vendo o Bolt correr, me dá muita ansiedade. Quero fazer o mesmo – comenta Muniz.

Esse mesmo sentimento despertado em Rafael já trouxe resultados para Luciana Vettori, 13 anos. A menina que foi campeã na categoria sub-12 e sub-13 na região do Alto Uruguai, disputa, agora o campeonato estadual de atletismo. Ela tem como objetivo ir ainda mais longe: competir nas Olimpíadas.

– Seria muito legal aparecer na TV e ouvir o pessoal dizer: olha lá, a Luciana, minha amiga – empolga-se.

O preparador físico Diego Telles inclui nos treinos o estímulo aos sonhos olímpicos dos alunos:

– O Brasil não traz o número esperado de medalhas porque não investe na base. Aqui, pensamos lá na frente: 2016, 2020, até 2024, talvez.