COMPROMETIMENTO DOS PODERES

As políticas de combate às drogas devem ser focadas em três objetivos específicos: preventivo (educação e comportamento); de tratamento e assistência das dependências (saúde pública) e de contenção (policial e judicial). Para aplicar estas políticas, defendemos campanhas educativas, políticas de prevenção, criação de Centros de Tratamento e Assistência da Dependência Química, e a integração dos aparatos de contenção e judiciais. A instalação de Conselhos Municipais de Entorpecentes estruturados em três comissões independentes (prevenção, tratamento e contenção) pode facilitar as unidades federativas na aplicação de políticas defensivas e de contenção ao consumo de tráfico de drogas.

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

MÉXICO DEBATE LEGALIZAÇÃO DA MACONHA

ZERO HORA 09 de agosto de 2013 | N° 17517


México esquenta debate similar


Com o movimento do Uruguai em direção à regularização de produção, consumo e venda da maconha como arma contra o narcotráfico, o governo mexicano prepara uma proposta com o mesmo fim para evitar a violência infligida pelo crime organizado. O líder da bancada governista na Assembleia Legislativa do Distrito Federal mexicano, Manuel Granados, almeja que o governo controle o consumo não só da Cannabis como de todas as drogas:

– Temos de regular não só a maconha, mas todas as drogas.

O ex-presidente Vicente Fox há tempos se posiciona favoravelmente à questão junto com outros ex-presidentes da América Latina, como o brasileiro Fernando Henrique Cardoso. Em entrevista à imprensa em junho, Fox defendeu que o México se torne um grande exportador mundial de maconha, para acabar com os cartéis da droga.

Proprietário de terras, o ex-presidente chegou, inclusive, a afirmar ter o desejo de cultivar a planta:

– Assim que for legítimo e legal, claro que quero, como agricultor, fazê-lo.