COMPROMETIMENTO DOS PODERES

As políticas de combate às drogas devem ser focadas em três objetivos específicos: preventivo (educação e comportamento); de tratamento e assistência das dependências (saúde pública) e de contenção (policial e judicial). Para aplicar estas políticas, defendemos campanhas educativas, políticas de prevenção, criação de Centros de Tratamento e Assistência da Dependência Química, e a integração dos aparatos de contenção e judiciais. A instalação de Conselhos Municipais de Entorpecentes estruturados em três comissões independentes (prevenção, tratamento e contenção) pode facilitar as unidades federativas na aplicação de políticas defensivas e de contenção ao consumo de tráfico de drogas.

segunda-feira, 4 de agosto de 2014

INTERNAÇÕES SEM EFEITO




ZERO HORA 04 de agosto de 2014 | N° 17880

MARCELO GONZATTO


SAÚDE. Depois da alta, retorno ao crack

PESQUISA REALIZADA NO Rio Grande do Sul mostra que quase 90% dos adolescentes voltam a usar a droga nos três meses que se seguem a um período de tratamento, demonstrando a ineficácia do atual modelo de tratamento para dependentes



De cada 10 adolescentes internados pelo sistema público de saúde para combater o vício do crack no Rio Grande do Sul, em média nove voltam a usar a droga até três meses depois de receber alta.

Além disso, um terço necessita de uma nova internação, e outros 36% se envolvem com a prática de crimes nesse período, conforme um estudo apresentado na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). O trabalho indica que, apesar do investimento de R$ 1,4 bilhão apenas do governo federal para reforçar a rede de atendimento aos dependentes, o serviço não oferece a eficácia desejada.

Em sua tese de doutorado, a psicóloga e doutora em Ciências Médicas Rosemeri Siqueira Pedroso acompanhou dois grupos distintos de usuários de crack. Ao longo de três meses, observou o índice de recaída entre 88 adolescentes após a alta e monitorou um outro contingente, de 293 jovens e adultos, para determinar quantos precisaram de repetidas internações para combater a droga ao longo de três anos.

No grupo de adolescentes, 86,4% voltaram a usar crack em até três meses. Entre o grupo de adultos, 43,4% tiveram de se reinternar até cinco vezes ao longo de três anos.

Essas descobertas aprofundam o conhecimento sobre o tema no país. Os poucos trabalhos já realizados indicam que cerca de um terço dos usuários de crack consegue concluir o tratamento com sucesso. As pesquisas sobre esse tema são raras em razão da dificuldade de acompanhar um grande número de dependentes após a alta – muitos não têm telefone ou endereço fixo e perdem contato com os pesquisadores.

Por isso, o levantamento gaúcho oferece revelações importantes sobre o impacto do tratamento oferecido pela rede pública aos usuários.

FALTAM AÇÕES PARA AJUDAR NA ABSTINÊNCIA

A autora do trabalho considera que ficou “cientificamente comprovado” um número excessivo de reinternações no sistema de saúde, o que coloca em xeque a eficácia do modelo atual.

– Quando o usuário sai do hospital, muitas vezes não tem onde morar, volta para a boca de fumo, não tem trabalho ou um aparato psicossocial para ajudá-lo na abstinência. Isso ainda é precário no Brasil – avalia Rosemeri.

O psiquiatra Flavio Pechansky, orientador da tese, concorda com essa preocupação:

– Os dados mostram que, apesar dos milhões de reais gastos pelo poder público nessa área, os índices de recaída e reinternação são elevados.

Para realizar o estudo com os adolescentes, a psicóloga acompanhou a internação desses jovens no Hospital Psiquiátrico São Pedro e na Clínica São José, em Porto Alegre. Depois da alta, seguiu monitorando a situação de cada um dos pacientes por meio de visitas, telefonemas e informações de parentes.

Para medir o grau de reinternações dos adultos, a pesquisadora monitorou todas as vezes em que os participantes do estudo ingressaram em algum serviço de saúde psiquiátrica no Estado. Isso levou a outra constatação: poucos dependentes (13%) procuram os serviços ambulatoriais que deveriam desafogar as clínicas e instituições hospitalares destinadas à internação para desintoxicação.

Em resposta a questionamentos de ZH, o Ministério da Saúde divulgou uma nota listando investimentos recentes e melhorias na rede de atendimento aos usuários de drogas. O texto afirma que o governo federal aplicou R$ 1,5 bilhão na execução do plano de enfrentamento ao crack – R$ 1,4 bilhão deles destinados à ampliação dos serviços que atendem dependentes químicos pelo SUS.



Especialistas sugerem mudança de métodos


Especialistas no combate ao crack afirmam que os elevados índices de recaída e reinternação reforçam a necessidade de aprimorar o método de tratamento. Segundo eles, o sistema público oferece poucos leitos e períodos curtos de internação. Além disso, não consegue acompanhar o usuário após a alta.

Um dos problemas, para o psiquiatra Luiz Carlos Illafont Coronel, são as “altas precoces”. Geralmente, a internação autorizada pelo SUS é inferior a um mês.

– O ideal é que o prazo dependa apenas da condição do paciente. O que se faz hoje é absurdo – afirma.

Coronel diz que, conforme os levantamentos realizados no país, cerca de um terço das mortes de usuários de crack têm como origem altas antecipadas. Outra dificuldade é a falta de leitos psiquiátricos – que já chegaram perto de 200 mil no país e hoje são 32 mil. Segundo relatório elaborado por sete entidades médicas, o Estado perdeu 36,7% dos leitos de psiquiatria entre 1993 e 2013.

Em consequência, dependentes como Solon Santos da Silva Filho, 37 anos, recorrem a sucessivas internações e lidam com uma frequente falta de vagas. Ele está em seu quinto tratamento desde 2010: já passou por três internações em clínicas pelo SUS e encontra-se na segunda temporada em uma comunidade terapêutica – a Acolher, de Gravataí. Nas clínicas, conseguiu ficar no máximo um mês, o que considera “muito pouco”. Também precisou superar obstáculos para garantir leito:

– Na minha segunda internação, tive de recorrer a uma ordem judicial para conseguir vaga. Não adiantou e recaí. Agora, já estou há oito meses e 10 dias na comunidade terapêutica – conta.

O presidente da Associação de Psiquiatria do Estado, Carlos Salgado, defende que é necessário investir em ações como medicina comunitária, que permitam acompanhar o dependente fora do hospital, aumentar a oferta de leitos e aprimorar o treinamento dos profissionais.



Solon, hoje em uma comunidade terapêutica, considerou muito curtas as suas internações, de apenas um mês