COMPROMETIMENTO DOS PODERES

As políticas de combate às drogas devem ser focadas em três objetivos específicos: preventivo (educação e comportamento); de tratamento e assistência das dependências (saúde pública) e de contenção (policial e judicial). Para aplicar estas políticas, defendemos campanhas educativas, políticas de prevenção, criação de Centros de Tratamento e Assistência da Dependência Química, e a integração dos aparatos de contenção e judiciais. A instalação de Conselhos Municipais de Entorpecentes estruturados em três comissões independentes (prevenção, tratamento e contenção) pode facilitar as unidades federativas na aplicação de políticas defensivas e de contenção ao consumo de tráfico de drogas.

quinta-feira, 27 de junho de 2013

BRASIL LIDERA TRÁFICO DE COCAÍNA NO MUNDO




ZERO HORA 27 de junho de 2013 | N° 17474

Brasil lidera tráfico de cocaína no mundo


Na última década, foi do Brasil que saiu a maior quantidade de cocaína apreendida no mundo. É o que mostra o Relatório Mundial sobre Drogas, divulgado ontem pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC). O estudo considerou o período de 2001 a 2012. O dado reforça uma tendência que já se conhecia do país, de servir como corredor da droga produzida nos países andinos, mas aponta que ele tem sido o preferido para esse fim.

As apreensões de cocaína na Colômbia – segunda no ranking de procedência de cocaína, mas campeã no transporte marítimo – indicam que a “exportação” da droga via Atlântico pode ter ganhado destaque em relação à rota do Pacífico.


PARA LEMBRAR: 

O Brasil é hoje a segundo maior consumidor de cocaína do mundo. Os Estados Unidos lidera o ranking Tráfico de Drogas - 13/02/2013 18:00

Para os primeiros 500 anos de história do Brasil, praticamente qualquer coisa que queria cruzar suas fronteiras poderia fazê-lo em relativa paz, quer de gado, índios ou exploradores intrépidos.

Essa época agora está chegando ao fim. Ascensão econômica do Brasil está forçando-o a lidar com um problema que há muito visto como a única preocupação dos países ricos, como os Estados Unidos: a necessidade de proteger suas fronteiras e desacelerar uma enxurrada de drogas, imigrantes ilegais e outros contrabandos.

A presidente Dilma Rousseff, sob pressão política a partir de uma epidemia de crack nas cidades brasileiras, está a gastar mais de US $ 8 bilhões e revisão estratégia de defesa do Brasil para enfrentar uma questão que tem implicações para a agricultura, o comércio ea economia global.

Prosperidade do Brasil criou uma nova classe de consumidores de dezenas de milhões de pessoas que por acaso vivem ao lado do mundo três maiores produtores de cocaína: Colômbia, Bolívia e Peru. O Brasil é hoje a segunda maior consumidor de cocaína , atrás apenas dos Estados Unidos, de acordo com dados do governo dos EUA. Ele também é um consumidor em expansão de maconha, ecstasy e outros narcóticos.

Tentativa de Dilma para sufocar o fluxo de narcóticos pode significar muito dinheiro para empresas de Embraer, que planeja fazer uma nova linha de aviões não tripulados para patrulhar a fronteira. As empresas estrangeiras, como a Boeing, Siemens e outros têm a ganhar.

Protegendo uma área que é cinco vezes maior do que a fronteira EUA-México, serpenteando através de mais de 10.000 quilômetros de floresta amazônica e de 10 países diferentes, está provando ser um grande desafio. Também é provocando debate sobre se é realmente vale o dinheiro e esforço.

Para Rafael Godoy de Campos Marconi, um tenente da polícia em um posto de fronteira solitária nos pântanos infestados de cobra no Pantanal, no oeste do Brasil, a tarefa pode parecer impossível.

Marconi unidade é responsável pelo patrulhamento de um trecho de 125 quilômetros de fronteira com a Bolívia, a fonte de cerca de 80 por cento da cocaína consumida no Brasil. Em um determinado dia, Marconi acredita que há dezenas de traficantes se movimentando seu caminho através de seu território, com drogas enfiados em seus sapatos, calças e cuecas.

O problema? Marconi normalmente só tem de 10 a 12 homens para cobrir todo o território que. Duas semanas se passaram desde que seu busto passado.

"Ah, eles estão lá fora", ele suspirou, olhando o horizonte, suando no calor de 100 graus e umidade. "Mas há tão poucos de nós que sabem exatamente onde estamos." Mesmo com o dobro de seus recursos atuais, ele disse, seria "muito difícil" para controlar uma região tão profunda no interior do Brasil. Com um sorriso irônico, ele mencionou uma solução que estava nos lábios de um número de brasileiros aqui.

"Talvez se nós construímos uma parede, como os Estados Unidos tem (com o México)", disse ele. "Talvez então podemos diminuir estas pessoas."

Brasil não será a construção de todas as paredes. Mas ele está tentando absorver outras lições dos Estados Unidos, e apoiando-se em Washington para recursos e assessoria técnica. O chefe das Forças Armadas do Brasil viajou no ano passado para El Paso, Texas, ao longo da fronteira com o México, para se reunir com militares dos EUA e funcionários do Departamento de Segurança Interna.

Nova ênfase do Brasil em suas fronteiras, eo subtexto óbvio - que considera os seus vizinhos com uma desconfiança crescente - está começando a levar o tipo de ressentimento pela América do Sul que costumava ser reservado para um certo grande, país de língua Inglês para o norte .

"Dói-me dizer isso, mas eu ouvi as pessoas dizem que nós somos os gringos novas", disse Pedro Taques, senador do estado de Mato Grosso, que faz fronteira com a Bolívia. "Controlar a fronteira é um problema que o Brasil nunca pensou que teria que enfrentar ... e está nos forçando a fazer algumas coisas desagradáveis."

No entanto, Taques disse que a protecção das fronteiras foi melhorada "crítica" para a saúde da economia do Brasil e da sociedade, e ele expressou frustração de que os resultados não vieram mais rápido mais de um ano de presidência de Dilma Rousseff. "Até agora, temos visto muitos discursos", disse ele. "Mas as pessoas que vivem na fronteira não está vendo resultados suficientes."

Uma fronteira invisível

Não foi há muito tempo que ninguém levou a sério as fronteiras do Brasil - nem mesmo seus presidentes.

Fernando Henrique Cardoso escreveu em suas memórias de tirar umas férias para o Pantanal como presidente eleito, em 1994, e vagando na Bolívia por engano. Cardoso, sua esposa e um guarda-costas foram detidos uma hora depois por um soldado boliviano armado que exigiu ver suas identificações. Que nenhum.

"Foi preciso uma boa meia hora de explicar, calmante e implorando, mas finalmente conseguiu convencer o soldado boliviano da minha identidade", escreveu Cardoso. "Ele disse ... que foram as primeiras pessoas que ele já teve que parar de cruzar a fronteira com o Brasil, em seguida, pediu desculpas se ele tivesse nos assustou com a arma."

Não foi historicamente pouca razão para a proteção de cada lado. O Brasil não tem ido para a guerra com qualquer dos seus vizinhos desde 1870. E para a maioria de sua instabilidade hiperinflação, história e política significava que a economia do Brasil foi apenas mediano para os padrões sul-americanos. Assim, poucas pessoas vieram à procura de trabalho.

Isso tudo começou a mudar na época Cardoso tomou posse. Investidores políticas favoráveis e programas de redução da pobreza, desde então, tornaram o Brasil uma estrela em meio a uma ampla mudança no equilíbrio de poder global em direção aos mercados emergentes. O Brasil ultrapassou a Grã-Bretanha no ano passado, a economia do mundo sexto maior, e agora é mais rico do que todos, mas três de seus 10 vizinhos em uma base per capita.

Esse dinamismo, e uma moeda forte e incomum, atraíram imigrantes de todo a América do Sul, que muitas vezes ganham três a quatro vezes o que eles fazem em casa. Mais de 1.460 mil estrangeiros foram formalmente registradas no Brasil em julho de 2011 - um aumento de 50 por cento do ano anterior sozinho.

O afluxo de trabalhadores estrangeiros tem ajudado a aliviar a escassez de mão de obra qualificada como taxa de desemprego no Brasil atinge níveis históricos mais baixos. Mas também está começando a causar mal-estar, especialmente entre os sindicatos que formam a base política de Dilma.

Governo de Dilma Rousseff prometeu endurecer os controles de fronteira e práticas de deportação em fevereiro após deu anistia a mais de 4.000 haitianos que entraram no Brasil ilegalmente, a maioria deles através da Amazônia via Peru. O número total de imigrantes indocumentados no Brasil podem correr para as centenas de milhares de pessoas.

"Muitas dessas pessoas estão vindo em busca de melhores empregos. Esse é o problema", disse Paulo Pereira da Silva, deputado e chefe da Força Sindical, um grupo poderoso sindicato guarda-chuva.

Negligência do Brasil de suas fronteiras também tem contribuído para uma enxurrada de importações baratas que os políticos dizem indústria local é prejudicial. "Incontáveis" mercadorias da China e em outros lugares no Brasil passaram despercebidos por países vizinhos, o ministro do Comércio Fernando Pimentel, disse em uma entrevista.

Dito isso, o maior problema - o que a presidente Dilma Rousseff enfatizou quando ela lançou sua iniciativa fronteiras em junho de 2011 - é um aumento no uso de drogas e seu companheiro, o crime organizado.

São Paulo e outras grandes cidades têm visto o surgimento de "cracolandias" - literalmente "terras de crack", errantes hordas de centenas de pessoas que se reúnem ao entardecer para usar o crack em plena vista das autoridades. Os meios de comunicação chocaram o público ao mostrar mulheres grávidas e crianças menores de 12 fumar.

Quadrilhas de traficantes efetivamente controlar o território em várias cidades, incluindo o Rio de Janeiro, que vai sediar os Jogos Olímpicos de 2016. A campanha presidencial de 2010 foi sem dúvida o primeiro na história do Brasil em que o uso de drogas surgiu como uma questão importante, aumentando a pressão sobre Dilma de responder uma vez que ela assumiu o cargo.

"Uma das principais prioridades para (Rousseff), voltando para a campanha, é a questão do combate à violência e drogas", o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, disse em uma entrevista. "Controlar as fronteiras é uma parte crítica dessa estratégia."

"Isto é uma vergonha"

Na linha de frente, no entanto, a mudança tem sido lenta.

No posto 30 milhas a oeste da cidade de Cáceres, o tenente Marconi e seus colegas policiais vivem em pequenos barracos de metal elevadas. Galinhas vagar, e de homens com chapéus de cowboy montar por lentamente em bicicletas, aparentemente ignorando a presença da polícia.

Mesmo que seja o único posto policial importante em um dos maiores do Brasil, contrabando de drogas corredores, não há no local de raios-X máquina ou scanner para detectar narcóticos em veículos. Para inspeções, carros dirigir-se para uma plataforma de aparência frágil de madeira. Cães farejadores de drogas são implantados apenas raramente, disse Marconi.

"Isto é uma vergonha", disse Mauro Zaque, um procurador do estado que estava visitando o site. "Você não pode me dizer que o Estado não tem 2 milhões de reais (cerca de US $ 1,1 milhão) para colocar uma instalação decente aqui. Que está faltando é vontade política".

A fronteira real é cerca de 20 quilômetros de distância. Isso levou um visitante a perguntar: Não é possível os contrabandistas basta ir ao redor do poste?

Marconi fez uma careta. "Sim, muitos deles parecem fazer isso."

Autoridades da região do Pantanal têm detectado inúmeros "estradas clandestinas" - estradas desmatadas por contrabandistas para driblar as barreiras. Especialmente indescritível é o exército silencioso de "mulas" que cruzam a fronteira da Bolívia a pé, geralmente à noite, e despejar sua carga em postos de maneira dissimulada para que outros possam levá-lo para as cidades brasileiras. Na tarde de patrulha um, Marconi apontou buracos em cercas em fazendas onde, segundo ele, a contorcer contrabandistas passar.

A fronteira em si é tão mal marcado que Marconi às vezes não sabia exatamente onde estava, cruzando em vários pontos em que pode ou não pode ter sido a Bolívia. "Nós não devemos ficar aqui por muito tempo", disse ele em um ponto.

Esta é uma região fácil de patrulhar os padrões brasileiros: planas e relativamente sem árvores. Por outro lado, cerca de 6.000 quilômetros de fronteira do Brasil - ou 60 por cento do total - é formada por rios que a jusante do fluxo para o Brasil de seus vizinhos, geralmente através de mata fechada, tornando simples a vida para os contrabandistas.

Dilma e seus altos funcionários dizem que são ilusões sobre os obstáculos que enfrentam.

"Nós não podemos ter essa visão ultrapassada de que vamos fazer isso colocando um grupo de homens em uma linha para proteger 16 mil quilômetros de fronteira", disse Dilma ao lançar a iniciativa fronteiras no ano passado. "Isso não é possível."

Dilma Rousseff se concentrou em vez de soluções que fazem uso de mão de obra existente no Brasil. Uma de suas primeiras medidas foi a expandir o papel dos militares, essencialmente dando a eles poder de polícia, como a capacidade de parar e revistar veículos a menos de 150 km, ou 93 milhas, da fronteira.

Ela também exigiu plena coordenação entre forças militares e vários policiais do Brasil - algo que nunca existiu antes. O tenente Marconi disse que, em dois anos de trabalho na fronteira, ele teve contato com o exército apenas uma vez. A par disso, o ministro da Justiça Cardozo, que supervisiona a polícia, assentiu sombriamente. "Nós estamos trabalhando nisso", disse ele.

Um centro de comando novo conjunto de questões fronteiriças foi construído dentro do ministério da defesa. O vice-presidente Michel Temer iniciou uma nova hospedagem, reunião inter-agências regulares do exército e da polícia, que também reúne o comércio, meio ambiente, e outros funcionários.

Os novos montantes de foco para uma mudança fundamental para as forças armadas, que governou o Brasil como recentemente, em 1985, e têm desempenhado um papel, incerto mudança desde que a democracia retornou. O general José Carlos de Nardi, chefe de chefes militares do Brasil conjuntas, pendurou uma foto da sua visita a El Paso, à direita da porta de seu escritório em Brasília como um lembrete das novas prioridades.

"É uma mudança para nós, certamente," De Nardi disse em uma entrevista. "Esta vai ser uma parte essencial de nossa estratégia por décadas."



"Nenhuma coisa '

Consciente dos desafios enfrentados por seus homens e mulheres no chão, De Nardi, Cardozo e outros concluíram que os dois maiores chaves para o sucesso do Brasil será a tecnologia e trabalho de inteligência.

Uma das ferramentas mais eficazes novas, dizem, é não tripulados drones aéreos que são capazes de barcos de detecção, pessoas e até mesmo gado - um elemento fundamental para proteger 4000000000 dólares do Brasil indústria de exportação de carne bovina, a maior do mundo, a partir de pragas devastadoras como febre aftosa.

De última geração jatos da Força Aérea, sistemas de radar de solo, riverboats e outros equipamentos também serão adquiridos. De Nardi disse que o Brasil está apenas começando a obter os recursos de que necessita, e haverá muitas oportunidades para as empresas locais e estrangeiros. (Consulte a barra lateral.)

"Nós vamos precisar de muitas ferramentas", disse ele.

Ministro da Justiça, Cardozo disse que o governo vai dobrar o número de policiais federais na região de fronteira em 2013, em parte, obrigando todos os novos concorrentes para a força para passar o tempo. Comodidades como barraco minúsculo tenente Marconi será atualizado, e um projeto de lei será enviado ao Congresso para fornecer um incentivo salarial especial para funcionários que trabalham ao longo da fronteira, disse ele.

Mas a farra de gastos deixou alguns brasileiros querendo saber se ele vai fazer muita coisa boa, especialmente com relação às drogas. Se os Estados Unidos, com todos os recursos de que a maior economia do mundo tem para oferecer, não pode parar de cocaína de vir através de suas fronteiras, então como pode o Brasil?

Entre os céticos é o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que emergiu como um dos maiores críticos do internacional "guerra às drogas". Ele diz que, apesar de um maior grau de segurança na fronteira é necessário por motivos econômicos e estratégicos, o Brasil é pouco provável que seja capaz de ficar no caminho da enorme demanda por narcóticos.

"Não há nenhum ponto", disse Cardoso, que defende a legalização de algumas drogas ditas leves como a maconha. "A experiência da América Latina durante os últimos 30 anos mostra que resistir a essas forças só produz mais violência."

Na verdade, o Brasil está aumentando seus esforços, assim como os países da região que lutaram traficantes mais difícil nos últimos anos, a um custo financeiro e humano enorme, parece estar começando a explorar outras alternativas.

O presidente colombiano, Juan Manuel Santos, disse no ano passado que ele seria "bem-vindo" legalização se tomou os lucros do contrabando. Seu homólogo mexicano, Felipe Calderón, deu a entender em um 2011 setembro discurso que ele pode estar aberto a um movimento similar.

O coronel João Henrique Marinho, que comanda o Batalhão do Exército Brasileiro, Border Segundo em Cáceres, observou que, actualmente, os contrabandistas brasileiros na região fronteiriça nada falta lembrando a sofisticação ou poder de fogo dos cartéis no México ou na Colômbia. Em vez disso, eles correm o Marinho descrito como uma operação de "artesanal", baseado em contrabandistas e aviões ligeiros.

Perguntado por contrabandistas locais não se organizaram em estilo mexicano cartéis, Marinho levantou as sobrancelhas e respondeu: "Poderia ser porque não estamos resistindo eles?"



OPERAÇÕES NO EXTERIOR

Preocupações sobre os cartéis de droga são tão ansiosos no outro lado das fronteiras do Brasil.

Na cidade boliviana de San Matias empoeirado, do outro lado de Cáceres, os moradores dizem que já viu um aumento assustador no número de criminosos durante o ano passado. Mas os caras maus, dizem eles, são brasileiros.

"São os brasileiros que correm as coisas por aqui", disse José Contreras, um lojista local, fazendo um sinal de gatilho com o dedo indicador. "Você sabe, os brasileiros culpam bolivianos para tudo, mas eles são os que roubam e matam."

"Eles usam isso como uma base", disse ele. "Está ficando pior."

Ministro da Justiça, Cardozo reconheceu as dúvidas sobre a estratégia do governo, bem como os possíveis riscos. Mas ele disse que o Brasil vai avançar.

Dilma Rousseff descartou a possibilidade de legalização das drogas, dizendo à revista Rolling Stone em 2010, que "a sociedade não está pronta para uma mudança dessa natureza." Cardozo destacou que o Brasil já tentou o que equivalia a uma abordagem laissez-faire para questões de drogas - com resultados desastrosos, visíveis no país "terras de crack", gangues controladas favelas e outros lugares.

Questionado sobre como o Brasil pode ter sucesso onde os Estados Unidos não tem, Cardozo disse que a chave é "ter um relacionamento com esses países (produtor), por isso o assunto podem ser atacados em seu território."

Para o efeito, o Brasil está começando a se envolver em práticas que parecem muito com o que Washington vem fazendo pela América Latina durante décadas. Cardozo disse que os brasileiros policiais federais foram para o Paraguai no ano passado e destruiu plantações de maconha se com a permissão das autoridades locais.

Cardozo disse que um programa semelhante ocorreu em território peruano para erradicar plantações de coca - usada para fazer cocaína - em agosto de 2011. Ele também citou um novo acordo de cooperação de três vias entre os Estados Unidos, Brasil e Bolívia, em que as forças brasileiras vão oferecer treinamento e equipamentos para seus colegas bolivianos para combater as drogas lá. Felipe Cáceres, da Bolívia, vice-ministro de Defesa Social, disse que o acordo vai ajudar a fornecer seu país - o mais pobre da América do Sul - ". Apoio logístico para cobrir (o nosso) extensa geografia" com

Cardozo destacou o que ele chamou de um progresso significativo desde que o plano foi lançado fronteiras. De junho de 2011 a fevereiro de 2012, as forças de segurança brasileiras apreenderam 123 toneladas de maconha e 17 toneladas de cocaína em operações conjuntas na fronteira, de acordo com dados do Ministério da Justiça. Mais de 5.500 pessoas já foram enviados para a prisão como resultado.

As apreensões incluíram também carros roubados, armas de fogo, munições, material explosivo, e centenas de milhares de dólares em contrabando outras que teriam feito o seu caminho para o país. "É um bom começo, e isso é tão importante a proteção de todos os setores de nossa economia", disse Pimentel, o ministro do Comércio.

Na linha de frente, alguns são igualmente esperançoso.

Augusto Cesar faz Borges, um funcionário da agência de monitoramento agrícola INDEA, equipa um pequeno, novo, ponto de verificação de ar-condicionado do outro lado da fronteira de San Matias, que na sua maioria verifica carros que passam por contrabando.

Antes de 2007, não havia presença do Estado aqui, e "qualquer coisa pode entrar" O Brasil, disse ele.

"Isso tudo é novo para nós, e estamos ficando melhor", disse Borges. "Agora, só precisamos de mais ferramentas."

Como o quê?

"Eu não sei", disse ele com um sorriso. "Talvez uma parede."