COMPROMETIMENTO DOS PODERES

As políticas de combate às drogas devem ser focadas em três objetivos específicos: preventivo (educação e comportamento); de tratamento e assistência das dependências (saúde pública) e de contenção (policial e judicial). Para aplicar estas políticas, defendemos campanhas educativas, políticas de prevenção, criação de Centros de Tratamento e Assistência da Dependência Química, e a integração dos aparatos de contenção e judiciais. A instalação de Conselhos Municipais de Entorpecentes estruturados em três comissões independentes (prevenção, tratamento e contenção) pode facilitar as unidades federativas na aplicação de políticas defensivas e de contenção ao consumo de tráfico de drogas.

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

OVERDOSE DE COCAÍNA CAUSOU MORTE DO IRMÃO DE 17 ANOS DE MC GUI

G1 FANTÁSTICO Edição do dia 25/01/2015

Laudo da perícia da morte do irmão de MC Gui atesta overdose de cocaína
Nove meses depois, exames mostram que Gustavo consumiu drogas em excesso. Os pais se emocionam e dizem não saber do uso de cocaína.




A família de um astro do funk brasileiro foi surpreendida esta semana com o resultado de um laudo oficial da perícia paulista. Esse laudo, ainda inédito, mostra que Gustavo Castanheira, irmão do cantor MC Gui, morreu aos 17 anos de overdose de cocaína.

O pai, a mãe e o MC Gui deram uma entrevista exclusiva ao Fantástico. Eles fazem questão de alertar todo mundo para o perigo das drogas.

Nove meses se passaram desde a morte de Gustavo.

“Fazia tudo junto, ele viajava com a gente. Não tem como. Até hoje, são todos os dias pensando nele”, conta MC Gui, irmão de Gustavo.

“Eu daria tudo, tudo o que a gente ganhou, tudo o que eu conquistei, a carreira do Gui, tudo para ter ele aqui”, diz a mãe de Gustavo e Gui, Claudia Castanheira.

Nesses nove meses, uma pergunta tinha ficado sem resposta até hoje: O que provocou a morte de Gustavo, o irmão de 17 anos do MC Gui, um dos funkeiros mais famosos do Brasil?
Excesso de energéticos? Alguma doença que ninguém desconfiava? Esta semana, a família recebeu o laudo da perícia: Gustavo morreu de overdose de cocaína.

“Quando eu vi escrito no laudo a cocaína, eu sinceramente, entrei em choque. Não dá para acreditar, não”, conta a mãe.

Fantástico: Você sabia que ele usava drogas?
MC Gui: Eu já vi ele usando maconha. Só que eu brigava com ele e ele me obedecia. Tipo, ele jogava fora.
Fantástico: Mas você nunca viu ele usando uma droga mais pesada? Cocaína, por exemplo?
MC Gui: Não.

O laudo afirma: "Gustavo fez uso prévio de cocaína e teve morte súbita em decorrência de insuficiência respiratória aguda". Segundo o exame, ele não tinha bebido nada de álcool.

Mãe: A gente tinha uma desconfiança que havia possibilidade de ele estar envolvido mas não com esse tipo de droga.
Fantástico: E que tipo de mudanças ele teve no comportamento?
Mãe: Chegava em casa meio alterado. Tava meio agressivo nas palavras. O pai já chegou até falar para ele: "Se eu descobrir que você está usando droga, se eu pegar, Gustavo, eu vou te amarrar dentro de casa". Ele chegou a comprar uma corrente e falou que ia amarrar.

O que aconteceu com Gustavo no dia da sua morte? Como foram os últimos momentos desse adolescente, crescido na Zona Leste de São Paulo? Um jovem que, graças ao irmão mais novo, conheceu a fama, o sucesso.

Dezessete de abril do ano passado, uma quinta-feira. Foi a última vez que Giulia viu o namorado Gustavo.

Giulia Moraes: Ele começou a vomitar. A gente disse: "Nossa, Gu. Você está vomitando bastante. Ele: "É, meu, precisa marcar um médico. Vamos marcar um médico".
Fantástico: Você alguma vez percebeu que ele usava drogas?
Giulia: Ele tinha, às vezes, uns comportamentos estranhos mas tipo, de ver assim, nunca vi. Mas a gente meio que desconfiava.

Três dias depois, era domingo de Páscoa. Por volta das 17h, os pais saíram para acompanhar MC Gui em um show. Gustavo, que ajudava na produção do irmão cantor, mentiu dizendo que ia ficar com a namorada.

“Nesse dia, perguntei se ele tava com a chave de casa. Ele pôs a mão no bolso para olhar se tava, na hora que ele puxou, caiu uma trouxinha de maconha no chão. Aí, eu peguei, falei para ele: "Gustavo, você não tem jeito". Ele jurou de pé junto que não era dele. "Você está mentindo para você mesmo. Você não está mentindo pra mim", conta Rogério Alves, pai de Gustavo.

Parte dos parentes de Gustavo estava na casa deste comerciante, um amigo da família, comemorando a Páscoa. O jovem chegou no fim da noite.

“Onde ele tava, ele arrumou uma carona. Aí, ele chegou aqui com um rapaz. Deixou ele aqui. Subiu cumprimentou todo mundo”, lembra o comerciante Luiz Alberto de Brito.

Gustavo estava muito agitado quando chegou na casa do amigo, na Zona Leste de São Paulo, para participar de um jantar da família. Os parentes acreditam que ele pode ter usado drogas durante o dia.

“Falei: “Gustavo. Você tá muito louco, você bebeu, cara?" Ele falou que "Nada, mano. Tô de boa, tô tranquilo". Eu não imaginei droga”, diz o comerciante.

MC Gui e os pais chegaram para o jantar logo depois. Gui ficou na casa do amigo. Já Gustavo foi embora com os pais.

“Pra mim, era embriaguez. Só que os olhos dele estavam diferentes”, lembra a mãe de Gustavo.

Três horas depois, por volta das 4h, ele insistia em sair de casa e voltar para o lugar onde aconteceu o jantar. Um amigo veio buscá-lo. Gustavo passou mal e acabou desmaiando.

Luiz Alberto: Ele começou a sentir enjoo. Ele falou: "Quero vomitar. Estou passando mal". Nessa que ele saiu para vomitar, ele desmaiou. Eu me desesperei. Não voltava. Ele tava querendo puxar ar”.

O amigo e a mãe levaram Gustavo ao hospital:

“Nunca imaginei enterrar meu filho tão cedo. A droga levou meu filho. Levou uma vida, um menino lindo, um menino saudável. Deus foi muito injusto comigo que não me deu a oportunidade de eu ajudar meu filho. Queria muito poder ter ajudado. Tentando, não consegui. Eu não tive esse tempo”, conta emocionada a mãe de meninos.

Na pele do irmão caçula, a prova da amizade e do carinho. O rosto de Gustavo e a música de maior sucesso, justamente a que ele mais gostava.

“Sonhar, nunca desistir, ter fé pois fácil não é nem vai ser”, resume MC Gui.

A polícia informou que a investigação continua. Agora, para saber quem foi o traficante que vendeu drogas para Gustavo.

“Todos os jovens, não faça isso que não vale a pena. Faz a gente sofrer, pai, mãe, família, irmão”, fala muito emocionado o pai do jovem.

MC Gui: Quando eu sinto saudade, eu choro, quieto. Só que eu me seguro.
Fantástico: Você vive num mundo onde a droga tá muito perto.
Mc Gui: Eu me afastei de diversas pessoas que usam drogas.
Fantástico: Que mensagem você quer deixar, Gui?
Mc Gui: Pensamento positivo e jamais se envolver com drogas. Você tem uma vida maravilhosa pela frente. Então, tem que seguir em frente com a cabeça erguida, sempre com os pés no chão.