COMPROMETIMENTO DOS PODERES

As políticas de combate às drogas devem ser focadas em três objetivos específicos: preventivo (educação e comportamento); de tratamento e assistência das dependências (saúde pública) e de contenção (policial e judicial). Para aplicar estas políticas, defendemos campanhas educativas, políticas de prevenção, criação de Centros de Tratamento e Assistência da Dependência Química, e a integração dos aparatos de contenção e judiciais. A instalação de Conselhos Municipais de Entorpecentes estruturados em três comissões independentes (prevenção, tratamento e contenção) pode facilitar as unidades federativas na aplicação de políticas defensivas e de contenção ao consumo de tráfico de drogas.

quarta-feira, 23 de março de 2011

ASSISTÊNCIA NAS RUAS

Ainda sob a condição de projeto piloto, a iniciativa colocada em prática em uma área específica da Capital vem se revelando uma experiência bem-sucedida para levar auxílio multidisciplinar a pessoas em situação de vulnerabilidade social. Inaugurado no ano passado pelo Grupo Hospitalar Conceição, o programa permite que sem-tetos, prostitutas e usuários de drogas como o crack, entre outros, possam contar com o auxílio providencial em áreas como enfermagem, assistência social, psicologia e educação física, numa série de ações que exigem acima de tudo paciência, abnegação e persistência por parte dos profissionais envolvidos. Um dos objetivos do projeto é reduzir os danos provocados pelo uso de álcool e drogas de maneira geral, incluindo o crack.

Diariamente, a equipe percorre pontos da zona norte da Capital abordando pessoas em situação de risco, que são contempladas com orientações de cunho preventivo, com atendimento psicológico e com atividades lúdicas e esportivas, além de providências como curativos e mesmo encaminhamento para internação hospitalar.

Um aspecto importante é que essas ações não ocorrem de forma esparsa, pois têm continuidade. Ainda incipiente e em caráter experimental, a iniciativa já vem demonstrando que pode contribuir para melhorar as condições de pessoas vivendo em dificuldades. Em consequência, tende a ajudar uma capital como Porto Alegre a deixar de ser vista como uma cidade com elevado número de pessoas em situação de risco.

No caso específico dos dependentes de drogas, particularmente do crack, as ações precisam ser ainda mais intensificadas. Além comprometer aceleradamente a qualidade de vida dos usuários, esse é o tipo de problema que se transforma num tormento para as famílias e contribui para expor toda a comunidade a um aumento da violência.

EDITORIAL ZERO HORA 23/03/2011