COMPROMETIMENTO DOS PODERES

As políticas de combate às drogas devem ser focadas em três objetivos específicos: preventivo (educação e comportamento); de tratamento e assistência das dependências (saúde pública) e de contenção (policial e judicial). Para aplicar estas políticas, defendemos campanhas educativas, políticas de prevenção, criação de Centros de Tratamento e Assistência da Dependência Química, e a integração dos aparatos de contenção e judiciais. A instalação de Conselhos Municipais de Entorpecentes estruturados em três comissões independentes (prevenção, tratamento e contenção) pode facilitar as unidades federativas na aplicação de políticas defensivas e de contenção ao consumo de tráfico de drogas.

sexta-feira, 8 de março de 2013

TENTEI DE TUDO

ZERO HORA 08 de março de 2013 | N° 17365

DESPEDIDA. “Tentei de tudo”, diz ex de Chorão sobre cocaína

Graziela Gonçalves afirmou que o músico “perdeu a batalha contra essa praga mundial”



O enterro do cantor Chorão, líder do Charlie Brown Jr., ocorrido às 17h10min de ontem em Santos, cidade do litoral paulista, reuniu familiares, amigos, parceiros de banda e pessoas próximas. Na parte de fora do cemitério vertical Memorial Necrópole Ecumênica, a estilista Graziela Gonçalves, ex-mulher do músico, confirmou que ele era viciado em cocaína e era esse o motivo para os dois estarem separados há seis meses.

Na tarde de quarta-feira, a polícia de São Paulo havia anunciado que encontrara na casa de Chorão “uma substância branca, aparentando ser cocaína” e fotos mostravam o apartamento do cantor bagunçado e com a mobília quebrada. Ontem, após publicar um texto em que dizia amar o cantor “para sempre”, Graziela compareceu ao velório e ao sepultamento de Chorão, onde confirmou o vício dele em cocaína:

– Não era crack, era cocaína. Nós estávamos afastados em razão do que estava acontecendo com ele. Na verdade, eu estava tentando trazer ele de volta. Eu tentei tudo o que vocês podem imaginar. E infelizmente essa praga mundial, que é essa droga, acaba com tudo.

A estilista, que viveu com o cantor por quase 20 anos, agradeceu o carinho dos fãs e falou sobre o relacionamento com Chorão:

– Uma pessoa que só sabia dar, e por isso não ficou nada com ele. É tudo, é minha vida.

O sepultamento, que começou com 10 minutos de atraso, foi fechado para familiares e amigos. Entre os presentes, estava o baixista Champignon, ex-companheiro de Chorão no Charlie Brown Jr. Ele confirmou que “não tem como continuar” a banda sem o vocalista.

Depois do enterro, Champignon afirmou que a banda tem um disco gravado, que deve ser lançado em breve. A música Meu Novo Mundo, que faz parte do trabalho, já toca em rádios.

– Foi o que ele deixou. Além do legado, um álbum novo. Todos nós somos gratos a ele e, infelizmente, estamos aqui, nos despedindo dele.

Antes do enterro, na saída do velório, que aconteceu na Arena Santos, fãs cantavam músicas do Charlie Brown Jr. e empunhavam skates em homenagem ao cantor. O cortejo que seguia o carro com o corpo de Chorão passou pela pista de skate inaugurada por Chorão na cidade paulista e pela Vila Belmiro, estádio do Santos, time do coração do vocalista.


Últimos dias

SEGUNDA-FEIRA - Chorão chega ao apartamento em Pinheiros (zona oeste de SP). Ele pede para o motorista buscá-lo no dia seguinte para um compromisso profissional.

TERÇA-FEIRA
- 12h – No horário combinado, o motorista chega ao local. Chorão não atende o telefone.
- 20h – O motorista volta ao local e tenta chamar o músico, sem resposta. Ele liga para o segurança do cantor, que tenta localizar uma chave do imóvel.

ONTEM

- 4h – Com a chave do apartamento, os funcionários entram no imóvel e encontram o corpo do músico na cozinha. Os dois vão até o 14º DP (Pinheiros) relatar o ocorrido.
- 5h – O delegado vai até o apartamento e aciona o serviço médico do Samu. O corpo de Chorão é levado para o IML.



ZERO HORA 7 de março de 2013 | N° 17364

LUTO NA MÚSICA. Morte de Chorão choca os fãs

Autor de letras fortes, cantor tornou-se conhecido nos anos 90 e encarnava a imagem do jovem rebelde e contestador



Líder da bem-sucedida banda Charlie Brown Jr., o cantor Chorão foi encontrado morto na madrugada de ontem no seu apartamento em São Paulo. Aos 42 anos, o músico estava com mania de perseguição nos últimos tempos. De acordo com a polícia, o estado de paranoia fazia com que ele tivesse acessos de raiva, o que o levava a quebrar objetos e a mobília onde morava ou nos locais onde se hospedava.

Depoimentos ouvidos pela investigação sinalizaram que Chorão achava que estava sendo constantemente vigiado e filmado. Segundo o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa de São Paulo (DHPP), ele passou por quatro hotéis nas últimas semanas. As mudanças teriam sido feitas por causa de desentendimentos com funcionários, mas não há ocorrências sobre os casos. Integrantes da banda tentavam contato com o cantor desde terça-feira. Segundo o delegado responsável pelo caso, Itagiba Franco, vizinhos chegaram a ouvir barulho de algo sendo quebrado na casa de Chorão na manhã de terça.

O cantor foi encontrado morto no chão da cozinha, de barriga para baixo, e com cortes nas mãos, nos pés e na cabeça. A polícia encontrou os cômodos revirados e com manchas de sangue. As autoridades também acharam “pequena quantidade de substância branca, aparentando ser cocaína, sobre a bancada da cozinha”. Havia, ainda, “por todo o apartamento, latas de cerveja, energético, garrafas de vinho etc.”, de acordo com o boletim de ocorrência registrado na 14º DP, de Pinheiros. Segundo o delegado, o cantor estava com a mão machucada, e as marcas de sangue no apartamento provavelmente eram desse ferimento.

Pelos depoimentos, Chorão chegou ao apartamento na segunda-feira e não saiu mais do local. A polícia acredita que a morte tenha ocorrido de segunda para terça-feira, devido ao estado em que o corpo foi encontrado. Na madrugada de ontem, um segurança e o motorista do cantor foram até seu apartamento, onde encontraram o corpo. Ontem, o velório seria realizado na Arena Santos, um ginásio poliesportivo da prefeitura de Santos. O sepultamento deverá ocorrer hoje, às 15h, no Memorial Necrópole Ecumênica, em Santos.

A repercussão da morte foi grande ao longo da quarta-feira e provocou comoção de fãs nas redes sociais. Às 10h30min, seis dos Trending Topics mundiais (lista que reúne os 10 assuntos mais comentados no Twitter) eram termos relacionados a Chorão. A banda americana Guns N’ Roses publicou uma homenagem no Facebook. A publicação lincava o vídeo de uma apresentação da banda em Chicago, em 2011, tocando a música Don’t Cry. Com o vídeo, foi publicada uma mensagem: “Em luto pela morte de nosso irmão brasileiro, descanse em paz, Chorão. Esta Don’t Cry é para você”.