COMPROMETIMENTO DOS PODERES

As políticas de combate às drogas devem ser focadas em três objetivos específicos: preventivo (educação e comportamento); de tratamento e assistência das dependências (saúde pública) e de contenção (policial e judicial). Para aplicar estas políticas, defendemos campanhas educativas, políticas de prevenção, criação de Centros de Tratamento e Assistência da Dependência Química, e a integração dos aparatos de contenção e judiciais. A instalação de Conselhos Municipais de Entorpecentes estruturados em três comissões independentes (prevenção, tratamento e contenção) pode facilitar as unidades federativas na aplicação de políticas defensivas e de contenção ao consumo de tráfico de drogas.

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

DROGAS




Comad Montenegro - 26 de fevereiro de 2013 17:30


DROGAS

1. O que são as drogas? 

Chamam-se drogas a umas substâncias, prejudiciais em pequenas doses, que reúnem estas características:
- Proporcionam um bem estar a curto prazo.
- Fazem dano ao cérebro e ao sistema nervoso: um veneno tóxico que diminui a inteligência, a vontade e a liberdade, causando danos psíquicos, de trabalho, familiares e de sociabilidade.
- Criam dependência ou forte desejo de voltar a consumi-las.
- São origem de muitos pecados, acidentes, roubos e rixas. Um amigo disse-me que acrescentaria ainda a morte e o suicídio pois tem experiência desses casos. Duvidei em colocá-los uma vez que me pareciam acontecimentos menos habituais. Ao fim e ao cabo decidi escrevê-lo pois, de algum modo, drogar-se é um suicídio em câmara lenta e isto sim, é algo geral.

2. São realmente prejudiciais? 

Os seus efeitos sobre o sistema nervoso são graves. Pode dizer-se que são as coisas materiais que mais mal fazem ao homem, pois afectam as faculdades da alma reduzindo a capacidade da inteligência e da vontade.

3. Então, porque se tomam? 

Há vários motivos:
- Estão na moda em alguns ambientes e quem não as toma pode sentir-se afastado. Também há a curiosidade e o desejo de novas experiências. Normalmente começam-se a tomar por influência das amizades.
- Produzem prazeres e bem estar a curto prazo. Isto sem se pensar nos seus efeitos posteriores.
- É um modo de evadir-se da realidade. Mas, em vez de resolver os problemas, agrava-os.
- Algumas pessoas sem ideais adoptam como meta principal da sua vida a diversão e as drogas ajudam momentaneamente a certas festas. É-lhes indiferente que causem transtorno ás pessoas desde que proporcionem agora a diversão.

4. Como evitar o consumo? 

É importante não começar o caminho das drogas pois custa deixá-lo. Um amigo que as deixou insiste em que sublinhe esta frase e por isso a repito: é importante não começar o caminho das drogas pois custa deixá-lo. Para não começar esse caminho, costuma-se recomendar:
- Evitar ambientes e amigos que usem drogas. Esta é a medida principal a tomar se, ainda que mudar costumes custe.
- Levar uma vida sacrificada acostumando-se a dominar o próprio corpo para não ser escravo dos seus caprichos.
- Fomentar a responsabilidade no trabalho e no serviço aos outros, de modoa que a diversão passe para segundo plano.
- Fomentar a vida espiritual e outros ideais nobres que dêem maior sentido à vida.

5. Como sair da droga? 

Como as drogas debilitam a inteligência e a vontade e criam dependências, torna-se difícil deixá-las. Para o conseguir recomenda-se:
- Procurar a ajuda de uma pessoa de confiança que sirva de apoio a uma vontade debilitada.
- Cortar decididamente com os ambientes da droga. Isto é essencial.
- Preencher o tempo com ocupações sãs.