COMPROMETIMENTO DOS PODERES

As políticas de combate às drogas devem ser focadas em três objetivos específicos: preventivo (educação e comportamento); de tratamento e assistência das dependências (saúde pública) e de contenção (policial e judicial). Para aplicar estas políticas, defendemos campanhas educativas, políticas de prevenção, criação de Centros de Tratamento e Assistência da Dependência Química, e a integração dos aparatos de contenção e judiciais. A instalação de Conselhos Municipais de Entorpecentes estruturados em três comissões independentes (prevenção, tratamento e contenção) pode facilitar as unidades federativas na aplicação de políticas defensivas e de contenção ao consumo de tráfico de drogas.

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

TRAFICANTES RONDAM AS ESCOLAS


ZERO HORA 05/02/2013 | 18h12

Traficantes agem no entorno de 43% das escolas públicas gaúchas. RS está entre os Estados com maior incidência de tráfico perto de instituições de ensino

Taís Seibt



Resultados de uma pesquisa divulgada nesta terça-feira trazem um dado alarmante para o Rio Grande do Sul: 43% dos diretores de escolas públicas gaúchas responderam que há tráfico de drogas nas proximidades da instituição.

O índice é superado apenas por Distrito Federal, com 53%, São Paulo, Espírito Santo e Acre, empatadados com 47%, e Amazonas, com 44%.

O levantamento do QEdu: Aprendizado em Foco, uma parceria entre a Meritt e a Fundação Lemann, tem como base os questionários socioeconômicos da Prova Brasil 2011, aplicada pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), divulgada em agosto do ano passado.

— Esta porcentagem nos preocupa bastante. Vamos investigar mais e não vamos medir esforços para baixar essa marca — diz o delegado Joel Oliveira, diretor do Departamento Estadual de Investigações Sobre Narcóticos (Denarc).

Em maio de 2011, o Denarc deu início a uma operação permanente chamada Anjos da Lei, com foco no combate à ação de traficantes ao redor de estabelecimentos de ensino. Conforme Oliveira, até o final de 2012, a operação contabilizou mais de 150 prisões na Região Metropolitana. Além de infiltração de agentes nesses locais para investigar suspeitos, os policiais contam com a ajuda da população, que pode fazer denúncias por meio do 0800-518-518.

O diretor do Denarc promete intensificar o trabalho nas proximidades de escolas, inclusive no Interior, com foco na região Noroeste, por onde a droga chega ao Rio Grande do Sul.

"É um desafio do nosso tempo", diz secretária

A secretária adjunta de Educação do Estado, Maria Eulalia Nascimento, considera o alto índice de tráfico em áreas escolares a expressão de uma "sociedade violenta".

— É um desafio do nosso tempo. Muitas vezes temos o usuário, a mula, ou seja, aquele que leva a droga, e até o próprio traficante dentro da escola — comenta Maria Eulalia.

O coordenador de Projetos da Fundação Lemann, Ernesto Martins, responsável pelo estudo, reforça que esse modo de ação dos traficantes está associado diretamente à violência no contexto em que a escola está inserida.

— Se há violência fora, poderá chegar também aos centros de ensino. Basta observar que o Distrito Federal e São Paulo, [regiões] com altos índices de violência, são [as áreas] com o maior percentual — disse Martins à Agência Brasil.

No Rio Grande do Sul, a Secretaria de Educação, com ajuda das coordenadorias regionais, mapeia a ação de traficantes nas proximidades das instituições de ensino e comitês de prevenção foram criados para tratar do assunto com os estudantes. As ações são conjuntas com Brigada Militar, Polícia Civil, Ministério Público e Conselho Tutelar.

Os índices mais altos

Tráfico de drogas nas proximidades da escola:

53% — Distrito Federal
47% — Acre, Espírito Santo e São Paulo
44% — Amazonas
43% — Rio Grande do Sul
39% — Goiás

Denuncie:
O Denarc recebe denúncias que possam ajudar na operação Anjos da Lei pelo 

telefone 0800-518-518.