COMPROMETIMENTO DOS PODERES

As políticas de combate às drogas devem ser focadas em três objetivos específicos: preventivo (educação e comportamento); de tratamento e assistência das dependências (saúde pública) e de contenção (policial e judicial). Para aplicar estas políticas, defendemos campanhas educativas, políticas de prevenção, criação de Centros de Tratamento e Assistência da Dependência Química, e a integração dos aparatos de contenção e judiciais. A instalação de Conselhos Municipais de Entorpecentes estruturados em três comissões independentes (prevenção, tratamento e contenção) pode facilitar as unidades federativas na aplicação de políticas defensivas e de contenção ao consumo de tráfico de drogas.

domingo, 18 de maio de 2014

MAIS DE MIL PESSOAS MARCHAM PELA MACONHA EM PORTO ALEGRE

ZERO HORA 17/05/2014 | 18h45


Mais de mil pessoas marcham pela legalização da maconha. Evento contou com apelos por medida similar à tomada pelo governo uruguaio, que legalizou a Cannabis no ano passado



Caminhada saiu do Monumento ao Expedicionário, no Parque da RedençãoFoto: Bruno Alencastro / Agencia RBS


— Hoje o tio dos churros vai ganhar uma fortuna — brincava um passante, vestido de verde, no Parque da Redenção.

Brincadeiras à parte, mais de mil pessoas se reuniram a partir das 16h20min deste sábado por uma causa séria: pedir a legalização da maconha no Brasil. O contingente se concentrou no Monumento ao Expedicionário do Parque da Redenção, unindo militantes do Juntos, A. Marighella e do Bloco da Esquerda Canábica, o BEC, além dos organizadores da Copa Growroom. Muitos participantes fumavam seus cigarros de maconha, despreocupados.

Apontada pela organização como a maior marcha da história do evento, a caminhada contou com "marchinhas canábicas" (a saber, letras carnavalescas com a temática da legalização da maconha). As letras alertavam para o poder medicinal da erva ("se você pensa que maconha mata/ maconha não tr mata não / maconha vem da natureza / é remédio pra baixar pressão") e faziam referência à presidente Dilma Rousseff, além da resolução que legalizaria a erva, cuja discussão pelo Senado foi aventada no último mês de março. Alguns manifestantes seguiram à risca o convite à caracterização e apareceram trajados de verde ou até com fantasias relacionadas à Cannabis (foto).


Foto: Bruno Alencastro/Agência RBS

Na concentração, a menção ao nome de Pepe Mujica, presidente uruguaio que ganhou o coração dos militantes da Cannabis com seu modelo de gestão estatal da erva para roubar o mercado do narcotráfico, despertou aplausos e suspiros dos participantes.

A marcha saiu do Monumento ao Expedicionário, passou por dentro do parque até o Araújo Viana, interrompeu por instantes o trânsito da Avenida Osvaldo Aranha e deu a volta nas proximidades da Redenção até o Largo Zumbi dos Palmares, na Cidade Baixa, onde estavam previstas apresentações musicais até as 22h.