COMPROMETIMENTO DOS PODERES

As políticas de combate às drogas devem ser focadas em três objetivos específicos: preventivo (educação e comportamento); de tratamento e assistência das dependências (saúde pública) e de contenção (policial e judicial). Para aplicar estas políticas, defendemos campanhas educativas, políticas de prevenção, criação de Centros de Tratamento e Assistência da Dependência Química, e a integração dos aparatos de contenção e judiciais. A instalação de Conselhos Municipais de Entorpecentes estruturados em três comissões independentes (prevenção, tratamento e contenção) pode facilitar as unidades federativas na aplicação de políticas defensivas e de contenção ao consumo de tráfico de drogas.

sexta-feira, 15 de abril de 2011

CRACK LEVA GAROTA A MATAR APOSENTADA

Adolescente foi descoberta após vender macarrão roubado da casa da vítima - MARIELISE FERREIRA, zero hora 15/04/2011

Ainda abalados com a morte da aposentada Nelci Dias da Silva, 92 anos, com golpes de faca e tesoura na quarta-feira, os moradores do bairro Progresso, em Erechim, sofreram ontem um segundo choque. Acompanhada da mãe, uma garota de 13 anos confessou o crime na Delegacia da Polícia Civil, no estopim de uma história de dependência do crack que já dura dois anos.

Vinda de uma família desestruturada e pobre, a garota cresceu em meio a dificuldades com outros dois irmãos mais velhos. Há dois anos um registro policial feito pela própria mãe já acenava com um pedido de socorro. Ela relatou que um dos filhos mais velhos teria ferido o outro acidentalmente ao manusear uma espingarda, dentro de casa.

Com a situação familiar complicada, agravada pela circulação intensa de drogas no bairro onde mora, era difícil que o destino da adolescente fosse outro: passou a envolver-se com o crack.

– Isto é a droga da pedra. O bairro estava bem mais tranquilo, mas ultimamente tem droga por toda a parte e até crianças pequenas, com menos de nove anos, usando – conta uma moradora.

As amigas da garota que até o ano passado frequentava a 4ª série do Ensino Fundamental em uma escola municipal veem na droga o marco que transtornou a vida dela. Aos poucos, começou a cometer pequenos furtos no bairro, vitimando e aterrorizando moradores de Erechim como Nelci.

A situação ficou tão complicada que abandonou a casa da mãe para viver com o namorado e ainda deixou os estudos.

– Ela era uma menina normal, como a gente. Apenas tinha um pouco de dificuldade no colégio – conta uma colega da escola.

A confissão do crime foi feita em meio às lágrimas. Ela contou ao delegado que estava sob o efeito de drogas no momento em que assassinou a idosa. A motivação banal chamou ainda mais atenção: ela estaria desgostosa com Nelci, que teria reclamado entre os vizinhos de um furto de botijão de gás. O seu envolvimento no caso foi descoberto depois que ela tentou vender dois pacotes de macarrão que teria levado da casa após o assassinato.

Infratora foi internada em clínica de reabilitação

O delegado José Roberto Lukaszewigz, titular da 2ª Delegacia de Polícia Civil de Erechim viu a confissão com reservas e disse que é preciso investigar mais para encontrar evidências que confirmem e versão da garota. A investigação também deverá apurar se há outras pessoas envolvidas no caso, ou se ela realmente teria cometido o crime sozinha.

– Apenas a confissão não é suficiente, vamos buscar outras evidências que possam comprovar a participação da adolescente no crime – salientou o delegado.

Depois de confessar o crime, a garota que estava morando com a sogra precisou se mudar para a casa do pai, um porão a seis quadras do local do crime. Mas ainda na tarde de ontem, foi conduzida pelo Conselho Tutelar para uma clínica de recuperação onde foi internada.

A medida, conforme a promotoria de Justiça, é protetiva. A possibilidade de internação em casa correcional só será avaliada pela Justiça após a conclusão do inquérito, se for comprovada a participação da adolescente.


Como teria sido o crime, segundo relato da garota:

- Indignada com os comentários sobre o furto de um botijão de gás na casa da vítima, a adolescente teria batido à porta da residência durante a noite, dizendo que queria visitá-la.

- Quando Nelci abriu a porta, já foi atacada pela garota, que levava consigo uma faca. Ela contou estar sob o efeito do crack no momento em que chegou a casa da idosa.

- Antes de sair ela teria jogado um cobertor sobre a aposentada, que ficou caída ao chão do quarto, já sem vida.