COMPROMETIMENTO DOS PODERES

As políticas de combate às drogas devem ser focadas em três objetivos específicos: preventivo (educação e comportamento); de tratamento e assistência das dependências (saúde pública) e de contenção (policial e judicial). Para aplicar estas políticas, defendemos campanhas educativas, políticas de prevenção, criação de Centros de Tratamento e Assistência da Dependência Química, e a integração dos aparatos de contenção e judiciais. A instalação de Conselhos Municipais de Entorpecentes estruturados em três comissões independentes (prevenção, tratamento e contenção) pode facilitar as unidades federativas na aplicação de políticas defensivas e de contenção ao consumo de tráfico de drogas.

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

SOB EFEITO DO CRACK

ZERO HORA 10 de setembro de 2012 | N° 17188


PORTO ALEGRE - Garçom mata namorada e uma amig

LETÍCIA BARBIERI

Na tentativa de impedir que o namorado continuasse a se drogar, a auxiliar de telemarketing Karina Teixeira Gonçalves, 23 anos, foi morta a facadas. Ao intervir, uma amiga também foi assassinada.  Com o duplo homicídio no bairro Rubem Berta, na Capital, o feriadão de 7 de Setembro alcançou pelo menos 20 assassinatos no Estado entre a sexta-feira e ontem.

No crime do Rubem Berta, passava das 4h quando o garçom Diego André Marroti Borges, 23 anos, já tinha consumido três pedras de crack, misturadas a álcool e cocaína.

A essa altura, o tratamento contra a dependência tinha mais uma batalha perdida, mas Karina tentou impedir o consumo da quarta pedra. A intervenção deixou Borges descontrolado. Em busca da droga, ele desferiu facadas contra a companheira.

Thaize Pureza de Souza, 25 anos, que dividia aluguel com o casal, deixou a filha de quatro anos no quarto e tentou socorrer a amiga. Também foi golpeada.

O jovem correu para a rua em busca de socorro e ligou para a Brigada Militar. Guiou os policiais até os corpos e contou o porquê do horror.

 Ele foi preso em flagrante, e as duas facas de cozinha usadas no crime foram encontradas.

Os pais de Karina souberam da tragédia quando chegaram à casa para o almoço de domingo.


ENTREVISTA - “Estou me sentindo um lixo” - Diego André Marroti Borges - garçom

Com as mãos ainda manchadas de sangue, o garçom Diego André Marroti Borges, 23 anos, conversou com o Diário Gaúcho:

Diário Gaúcho – O que houve?

Diego André Marroti Borges – Eu misturei droga e bebida. Queria sair para buscar mais droga e ela tentou me impedir.

Diário – Era para o teu bem.

Borges – Sim, mas eu estava numa tremedeira, fora de mim. Fui no automático, peguei a faca e acertei ela. A amiga dela tentou ajudar, mas daí eu acertei ela também.

Diário – Foi por causa do crack?

Borges – Sim. Em sã consciência, jamais teria feito isso. Estou me sentindo um lixo. Quando eu levei os policiais lá, não sabia mais se eu era gente. Virei um bicho.