COMPROMETIMENTO DOS PODERES

As políticas de combate às drogas devem ser focadas em três objetivos específicos: preventivo (educação e comportamento); de tratamento e assistência das dependências (saúde pública) e de contenção (policial e judicial). Para aplicar estas políticas, defendemos campanhas educativas, políticas de prevenção, criação de Centros de Tratamento e Assistência da Dependência Química, e a integração dos aparatos de contenção e judiciais. A instalação de Conselhos Municipais de Entorpecentes estruturados em três comissões independentes (prevenção, tratamento e contenção) pode facilitar as unidades federativas na aplicação de políticas defensivas e de contenção ao consumo de tráfico de drogas.

domingo, 28 de abril de 2013

AMBULÂNCIAS EXCLUSIVAS A DEPENDENTES



ZERO HORA 28 de abril de 2013 | N° 17416

COMBATE AO CRACK

Ambulâncias exclusivas a dependentes em SP

São Paulo terá cinco ambulâncias exclusivas para atender dependentes químicos. Os veículos poderão ser usados, por exemplo, para socorrer um usuário de droga que esteja tendo um surto na rua ou transportar um paciente que precisa de internação. Na sexta-feira, Estado e prefeitura assinaram um termo de cooperação para combater o crack.


PORTAL DA PREFEITURA DE S.PAULO - 26/04/2013 17h02

São Paulo terá 30 unidades de saúde para atender dependentes químicos

Haddad anunciou um conjunto de medidas para o combate ao crack. Serão 30 Caps Ad III (atendimento 24 horas), 16 novos Consultórios de Rua e cinco ambulâncias especializadas

O prefeito Fernando Haddad anunciou nesta sexta-feira (26) a instalação de 30 Caps Ad III (Centros de Atenção Psicossocial – Álcool e Drogas) para o atendimento 24 horas de pacientes com dependência química. As novas unidades de saúde fazem parte de um conjunto de medidas para o combate ao crack, que incluem ainda 16 novos Consultórios de Rua e cinco ambulâncias especializadas. As ações foram anunciadas nesta manhã, em conjunto com o governador Geraldo Alckmin, em ato de assinatura de convênio com o Governo do Estado, no Palácio dos Bandeirantes, na Zona Sul.

“Hoje nós temos só cinco Caps funcionando 24h. Nós sabemos que a dependência química não tem hora, não se sabe quando o dependente vai precisar de apoio. Passaremos de 5 para 10 unidades este ano e de 10 para 30 até o fim de 2014”, afirmou Haddad. “Queremos acolher o dependente, recuperar a sua dignidade e dar mais conforto para as famílias na cidade de São Paulo”, disse o prefeito.

Os Caps Ad III ficam abertos ao público ininterruptamente e possuem leitos de acolhimento noturno. A prefeitura construirá 10 novas unidades e 20 Caps Ad II, que atendem atualmente apenas durante o dia, serão transformados em tipo III, totalizando 30 equipamentos. O atendimento é realizado por uma equipe multidisciplinar com psiquiatras, psicólogos, enfermeiros, terapeutas ocupacionais, assistentes sociais, auxiliares de enfermagem e farmacêuticos.

A administração municipal também investirá na capacitação dos profissionais de saúde para um melhor atendimento aos dependentes químicos. “A partir de segunda-feira, 12 mil profissionais da Secretaria Municipal de Saúde participarão de capacitação voltada para a questão de saúde mental”, afirmou Haddad. O treinamento terá início na próxima semana com 650 agentes comunitários de saúde.

Para ampliar a abordagem e acolhimento dos pacientes com dependência química em situação de rua, a Secretaria Municipal de Saúde também implantará novos Consultórios de Rua. “Chegamos a oito consultórios no mês de abril e vamos criar mais oito em maio. Estas 16 equipes de estratégia de saúde da família, de agentes comunitários, fazem a abordagem, em uma ação de atenção básica e de busca ativa”, explicou o secretário José Fillipi (Saúde).

O número de unidades de Acolhimento e Residência Terapêutica Especial também vai aumentar de 11 para 25. Estes equipamentos são voltados para pacientes no final de seu tratamento. Reforçam o sentimento de independência e recolocam o usuário no convívio social.

Parceria

Em parceria com o governo estadual, serão ainda disponibilizadas cinco ambulâncias do Serviço Móvel de Atendimento de Urgência (Samu), especializadas no atendimento de pacientes com dependência química. As equipes serão capacitadas para a especialidade psiquiátrica e o custeio será dividido pela administração municipal e pelo Estado. “Cinco ambulâncias novas que recebemos do Governo Federal serão adaptadas para o Samu Ad. Em trinta dias vamos ter a primeira em funcionamento”, afirmou Fillipi.

Os investimentos anunciados serão feitos com o apoio da União, por meio do programa “Crack, é possível vencer”. O convênio com o Estado promove ainda a integração no fluxo de atendimento aos dependentes de crack, entre a rede municipal de Caps, a unidade estadual do Centro de Referência em Álcool, Tabaco e outras Drogas e 1004 leitos da rede estadual de saúde mental.

FOTOS