COMPROMETIMENTO DOS PODERES

As políticas de combate às drogas devem ser focadas em três objetivos específicos: preventivo (educação e comportamento); de tratamento e assistência das dependências (saúde pública) e de contenção (policial e judicial). Para aplicar estas políticas, defendemos campanhas educativas, políticas de prevenção, criação de Centros de Tratamento e Assistência da Dependência Química, e a integração dos aparatos de contenção e judiciais. A instalação de Conselhos Municipais de Entorpecentes estruturados em três comissões independentes (prevenção, tratamento e contenção) pode facilitar as unidades federativas na aplicação de políticas defensivas e de contenção ao consumo de tráfico de drogas.

quarta-feira, 27 de julho de 2011

VERMÍFUGO

Vermífugo indicado para animais é misturado na cocaína como aditivo.

WANDERLEY SOARES, REDE PAMPA, O SUL, 27 de Julho de 2011.

Peritos do IGP (Instituto-Geral de Perícias) constataram a presença de vermífugo em amostras de cocaína. Foi encontrada na droga a substância Levamisol, utilizada como medicamento antiparasitário. Embora a identificação dessa substância tenha sido realizada em janeiro deste ano, desde 2009, os peritos observavam, com regularidade, a presença de adulterante incomum na droga.

O Levamisol é um fármaco imunoestimulante e anti-helmíntico (que age contra a ocorrência de vermes). Nos EUA, o Levamisol foi empregado para o tratamento de câncer de cólon e artrite reumatoide, mas foi retirado do mercado devido aos seus efeitos adversos, entre os quais a agranulocitose, que é a diminuição dos glóbulos brancos.

Os peritos acreditam que o Levamisol esteja sendo utilizado como aditivo, devido ao fato de o produto gerado na sua biotransformação, o Aminorex, apresenta propriedades similares às da anfetamina, ter a possibilidade de potencializar os efeitos estimulantes cocaína.

Enfim, como leigo, digo que, para aqueles que abreviam a vida usando drogas, o Levamisol também é bom.

Tráfico

Um homem foi preso por tráfico de drogas durante a madrugada de ontem em Canoas. Conforme a Brigada Militar, José Adair da Rosa, que já tinha antecedentes criminais por tráfico, portava 33 pedras de crack, dez petecas de cocaína e uma porção de maconha.