COMPROMETIMENTO DOS PODERES

As políticas de combate às drogas devem ser focadas em três objetivos específicos: preventivo (educação e comportamento); de tratamento e assistência das dependências (saúde pública) e de contenção (policial e judicial). Para aplicar estas políticas, defendemos campanhas educativas, políticas de prevenção, criação de Centros de Tratamento e Assistência da Dependência Química, e a integração dos aparatos de contenção e judiciais. A instalação de Conselhos Municipais de Entorpecentes estruturados em três comissões independentes (prevenção, tratamento e contenção) pode facilitar as unidades federativas na aplicação de políticas defensivas e de contenção ao consumo de tráfico de drogas.

terça-feira, 8 de novembro de 2011

A EPIDEMIA DO CRACK

EDITORIAL ZERO HORA 08/11/2011

A disseminação do crack pela quase totalidade dos municípios gaúchos confirma que o uso dessa droga assumiu proporções de epidemia. A questão, portanto, exige uma preocupação mais firme por parte do poder público, que em muitos casos ainda não sabe lidar direito com o problema. Como a dependência, nesses casos, tem implicações que se ampliam de forma acelerada em áreas como saúde e segurança pública, além de afetar atividades como o ensino, as tentativas de solução precisam ser colocadas logo em prática. Quanto mais tempo passar, maior ficará o problema e menores serão as chances de atacá-lo.

Divulgado agora pela Confederação Nacional de Municípios (CNM), o levantamento demonstrando que em praticamente nove de 10 municípios gaúchos o uso do crack é uma realidade apenas confirma nas estatísticas o que as comunidades já constatam na prática há algum tempo. Cada vez mais, essa droga letal deixa de se constituir unicamente num problema do usuário, de seus familiares e das pessoas mais próximas.

O crack, hoje, está associado diretamente ao aumento da criminalidade pelo simples fato de os dependentes não hesitarem em cometer qualquer tipo de crime com o objetivo de conseguir dinheiro para bancar o entorpecente. Sem a massificação de políticas preventivas, baseadas na informação sobre os riscos desse derivado da cocaína, e sem um ataque eficaz ao tráfico, portanto, dificilmente haverá avanços que impliquem menos insegurança para a sociedade. E o poder público precisa encontrar logo formas de tratar quem já se viciou, para evitar que mais usuários continuem colocando a sua própria vida e a de outros em risco.

Felizmente, enquanto boa parte dos governantes continua insistindo em enfrentar o problema mais com discursos do que com ações práticas, começam a surgir exemplos bem-sucedidos nesta área. Um deles é o da Comunidade Terapêutica Pública Reviver, da prefeitura de Cachoeirinha, transformada num modelo de centro de recuperação depois de demonstrar que é possível, sim, com um mínimo de investimento financeiro e o máximo de vontade política, recuperar quem caiu na droga.