COMPROMETIMENTO DOS PODERES

As políticas de combate às drogas devem ser focadas em três objetivos específicos: preventivo (educação e comportamento); de tratamento e assistência das dependências (saúde pública) e de contenção (policial e judicial). Para aplicar estas políticas, defendemos campanhas educativas, políticas de prevenção, criação de Centros de Tratamento e Assistência da Dependência Química, e a integração dos aparatos de contenção e judiciais. A instalação de Conselhos Municipais de Entorpecentes estruturados em três comissões independentes (prevenção, tratamento e contenção) pode facilitar as unidades federativas na aplicação de políticas defensivas e de contenção ao consumo de tráfico de drogas.

quarta-feira, 11 de maio de 2011

JOVENS DA CLASSE MÉDIA TRAFICANDO

Dois jovens de classe média são presos por tráfico na Tijuca. O GLOBO, 11/05/2011 às 11h26m - Athos Moura

RIO - Dois jovens de classe média foram presos, nesta terça-feira, na Tijuca, acusados de tráfico de drogas e associação para o tráfico por comercializarem cerca de um quilo de maconha. Jhuliana Ribeiro de Aguiar Thibaut, de 19 anos, escondeu a droga no depósito da loja em que trabalhava no Off Shopping, na Tijuca. Ela entregaria a maconha para Felipe Yanes, de 20 anos. A transação foi descoberta por acaso e ambos acabaram presos em flagrante.

Policiais da 19ª DP (Tijuca) já investigavam a nova modalidade do tráfico na região do Off Shopping e do Shopping Tijuca, na Rua Barão de Mesquita. De acordo com o delegado adjunto da unidade Leonardo Luís Macharet, desde que as Unidades de Polícia Pacificadoras (UPP) foram instaladas nas comunidades do bairro, o tipo de tráfico mudou.

- Hoje em dia não existe mais tráfico nos morros, e as pessoas estão vindo para o asfalto vender e comprar. Os traficantes muitas vezes são pessoas de classe média que acabam vendendo para sustentar o próprio vício. Tínhamos informações de que algumas pessoas estavam agindo naquela localidade inclusive com o auxílio de taxista para entregarem a droga em casa - relatou o delegado.

Na manhã desta quarta-feira, porém, a Polícia Civil desmentiu a declaração do delegado, através de nota. Segundo o comunicado, "a chefia de Polícia Civil esclarece que a prisão de dois jovens de classe média, acusados de comercializarem cerca de um quilo de maconha em um shopping da Tijuca, não é indício de que o tráfico de drogas tenha migrado das comunidades ocupadas pelas Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) para o asfalto, ao contrário do que disse o delegado-adjunto da 19ª DP (Tijuca), Leonardo Luís Macharet".

Na tarde desta terça-feira, dois policiais civis foram até a região para investigar. Uma vendedora de uma loja do Off Shopping desconfiou do volume e do cheiro de um pacote deixado no estoque do estabelecimento. Ela chamou os seguranças do shopping e em seguida, a polícia. Os agentes perguntaram a quem pertencia aquele pacote e foram informados de que a dona era Jhuliana. Os policiais foram até a casa da vendedora, que já havia saído do trabalho, e a prenderem.

Pouco depois dos policiais retornarem à loja, Felipe Yanes foi ao estabelecimento procurar por Jhuliana dizendo que ela havia deixado um pacote para ele. O jovem também acabou preso. Em depoimento, ele confessou que pagou pela droga de manhã e retornou à tarde para buscá-la.

O delegado Macharet acredita que existam outras pessoas envolvidas na transação da droga. Caso condenados, a dupla pode pegar de três a 15 anos de prisão.