COMPROMETIMENTO DOS PODERES

As políticas de combate às drogas devem ser focadas em três objetivos específicos: preventivo (educação e comportamento); de tratamento e assistência das dependências (saúde pública) e de contenção (policial e judicial). Para aplicar estas políticas, defendemos campanhas educativas, políticas de prevenção, criação de Centros de Tratamento e Assistência da Dependência Química, e a integração dos aparatos de contenção e judiciais. A instalação de Conselhos Municipais de Entorpecentes estruturados em três comissões independentes (prevenção, tratamento e contenção) pode facilitar as unidades federativas na aplicação de políticas defensivas e de contenção ao consumo de tráfico de drogas.

sexta-feira, 3 de junho de 2011

GUERRA CONTRA O OXI NO RS


Governo prepara guerra contra oxi no Rio Grande do Sul. Ação priorizará inteligência e mobilizará setores de segurança e Forças Armadas- Luciamem Winck / Correio do Povo, 03/06/211

A Secretaria da Justiça e dos Direitos Humanos (SJDH) travará uma guerra contra o oxi - nova droga derivada da cocaína - no Rio Grande do Sul. A ação mobilizará a Brigada Militar, Polícia Civil, Polícia Federal, Ministério Público, Exército, Marinha e Aeronáutica, além da Secretaria Estadual da Saúde e de entidades ligadas ao tema. “Vamos priorizar as ações de inteligência e, para isso, realizaremos reuniões semanais para mapear os pontos de tráfico e regiões de maior incidência de consumo”, salientou nesta sexta-feira o titular da SJDH, Fabiano Pereira, em evento realizado no Centro Administrativo Fernando Ferrari com o objetivo de articular as forças que passarão a agir contra a disseminação do oxi.

“Já tivemos uma experiência avassaladora quando o crack se tornou uma epidemia no Estado, estando presente em 90% dos municípios gaúchos, destruindo vidas e famílias”, enfatizou. O secretário ressaltou que as estimativas apontam para a existência de 60 mil dependentes efetivos do crack no Estado.

A intenção do secretário é evitar que o oxi, aos moldes do que ocorreu com o crack, se popularize. “O vício do crack está presentes em todas as faixas etárias, raças e classes sociais”, frisou. De acordo com a Polícia Civil, o oxi foi apreendido pelo primeira vez no Rio Grande do Sul em 25 de abril, no bairro Rubem Berta, na zona Norte de Porto Alegre. Em maio, foi registrado em Caxias do Sul o primeiro caso suspeito de overdose de oxi, com a intoxicação de uma jovem de 17 anos. Mais barato que o crack, cuja pedra é vendida por R$ 5,00, o oxi estaria sendo comercializado no Estado por R$ 2,00 a unidade. “Trata-se de um entorpecentes mais letal e nocivo à saúde do que o crack”, disse.

O secretário destacou que o oxi é resultante da mistura da pasta base da cocaína com outras substâncias, incluindo querosene, gasolina, cal virgem e solvente. “Substâncias infinitamente mais tóxicas do que o bicarbonato de sódio, o amoníaco e a acetona utilizados na fabricação do crack”, comparou. Lembrou que a droga entrou no Brasil pelo Acre e que, atualmente, representa 80% das apreensões de entorpecentes realizadas no Pará.

O psiquiatra Manoel Garcia Junior, professor da Ulbra e membro da Cruz Vermelha, advertiu que se nada for feito, “nós todos pagaremos um preço incalculável”. Segundo ele, não basta apenas reprimir, considerando que a droga “é democrática” e não é usada apenas por jovens. Defende a necessidade de campanhas de conscientização com ênfase para o argumento da rejeição ao oxi e de ações que congreguem prevenção, repressão e tratamento.