COMPROMETIMENTO DOS PODERES

As políticas de combate às drogas devem ser focadas em três objetivos específicos: preventivo (educação e comportamento); de tratamento e assistência das dependências (saúde pública) e de contenção (policial e judicial). Para aplicar estas políticas, defendemos campanhas educativas, políticas de prevenção, criação de Centros de Tratamento e Assistência da Dependência Química, e a integração dos aparatos de contenção e judiciais. A instalação de Conselhos Municipais de Entorpecentes estruturados em três comissões independentes (prevenção, tratamento e contenção) pode facilitar as unidades federativas na aplicação de políticas defensivas e de contenção ao consumo de tráfico de drogas.

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

CARROS DO TRÁFICO ENTRAM NO COMBATE ÀS DROGAS


REVÉS NO CRIME. Em fevereiro, veículos apreendidos com quadrilha passam a ser usados no auxílio a dependentes - ÁLISSON COELHO, zero hora 04/01/2012

A partir de fevereiro, veículos que no ano passado faziam parte da estrutura montada pelo tráfico internacional de drogas começam a ser utilizados para a recuperação de dependentes químicos. Em uma decisão inédita no Estado, parte dos bens que foram apreendidos pela Polícia Federal (PF) na Operação Açores será repassada para comunidades ligadas à Federação das Comunidades Terapêuticas Evangélicas do Rio Grande do Sul (Fecters).

São cinco carros já entregues à federação e que, após a regularização da documentação, serão distribuídos entre as regionais da entidade em todo o Estado. A federação congrega 60 comunidades e pretende associar outras 170 neste ano. Atualmente, as comunidades terapêuticas do Rio Grande do Sul tratam cerca de 6 mil dependentes.

Os veículos serão utilizados para que os coordenadores de cada região prestem assessoria nas comunidades, para o transporte de internos com necessidades médicas e para arrecadação de doações para manter as casas.

– Aplaudimos essa iniciativa, que é pioneira aqui no Estado. Estamos tocados e temos certeza de que esses veículos serão muito bem utilizados – afirma o presidente da entidade, Roque Valdevino Serpa.


Veículos apodreciam em depósitos

A decisão de utilizar os veículos apreendidos do tráfico na recuperação de dependentes químicos é da Justiça Federal de Novo Hamburgo, a partir de representação do chefe da Delegacia de Repressão a Entorpecentes da Polícia Federal, delegado Mário Luis Vieira. A expectativa é de que essa decisão sirva de base para que recursos do tráfico possam ser utilizados na recuperação de dependentes.

– Existem centenas de veículos apodrecendo nos pátios que poderiam estar ajudando essas instituições, que fazem um belo trabalho muitas vezes com poucos recursos. A destinação desses bens para a prevenção ao consumo de drogas está prevista na lei, e é positiva. Permite a conservação desses veículos e também o esvaziamento dos depósitos – afirma o delegado.

A Operação Açores foi deflagrada no dia 15 de setembro de 2011 e apreendeu mais de R$ 1 milhão em bens de um grupo que atuava no tráfico internacional de drogas, armas e munições. O material entrava no Brasil pela fronteira com a Argentina e com o Paraguai e depois era vendido na Região Metropolitana e no Vale do Sinos.