COMPROMETIMENTO DOS PODERES

As políticas de combate às drogas devem ser focadas em três objetivos específicos: preventivo (educação e comportamento); de tratamento e assistência das dependências (saúde pública) e de contenção (policial e judicial). Para aplicar estas políticas, defendemos campanhas educativas, políticas de prevenção, criação de Centros de Tratamento e Assistência da Dependência Química, e a integração dos aparatos de contenção e judiciais. A instalação de Conselhos Municipais de Entorpecentes estruturados em três comissões independentes (prevenção, tratamento e contenção) pode facilitar as unidades federativas na aplicação de políticas defensivas e de contenção ao consumo de tráfico de drogas.

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

AS GERENTES DO TRÁFICO


GUERRA DO TRÁFICO. Mulheres suspeitas de gerenciar quadrilhas. Namoradas de presos teriam assegurado o controle de bairro em Canoas - EDUARDO TORRES, zero hora 18/08/2011

A Operação Paranoia, uma ofensiva da Polícia Civil contra a quadrilha que comandava o tráfico de drogas no bairro Mathias Velho, em Canoas, prendeu 17 pessoas ontem. Destas, oito eram mulheres. Sob ordens dos namorados trancafiados, elas teriam mantido a “empresa” funcionando.

Além dos 17 presos, outros dois adolescentes foram apreendidos. Todos são suspeitos de participar do bando liderado pelo traficante Fábio Rosa Carvalho, o Fábio Noia, preso no Presídio Central.

Nos postos mais altos da quadrilha, duas mulheres teriam papel de destaque. Angélica Ferreira Rodrigues, 22 anos, seria namorada de Fábio Noia, e a mãe dela, Cleusa Martins Ferreira, 36 anos, ex-mulher de Carlos Ezequiel Xavier, traficante conhecido como Quel, que cumpre pena por assalto a um condomínio e seria um dos financiadores do grupo. Mãe e filha, suspeitas de atuar como gerentes da quadrilha, foram presas ontem assim como outras seis mulheres.

Líder executou rival durante fuga do semiabero

De acordo com o titular da 1ª Delegacia da Polícia Civil de Canoas, delegado Eric Seixas, um dos objetivos da operação é estancar os homicídio da guerra do tráfico no local. O grupo responderia, segundo a polícia, pela maioria dos 27 homicídios deste ano no Mathias Velho.

– Nós tínhamos dado um golpe neles, mas da cadeia eles mantiveram seus contatos e o grupo continuou no comando. Agora, esperamos ter desarticulado o que sobrou da quadrilha – afirmou Eric.

O medo de quem mora ali é que o “rodízio” do tráfico apenas mude de mãos com a ação da polícia, como de praxe. Fábio Noia e seu bando haviam chegado ao poder com a execução de Irineu Antônio de Oliveira, o Mano Louco, 36 anos, em março. Três meses depois, Fábio Noia foi preso em Tramandaí.

A Polícia Civil divulgou vídeo (ver quadro abaixo) que mostra a execução de Mano Louco em um minimercado. A emboscada teria sido articulada por Fábio Noia durante uma fuga do Instituto Penal de Viamão, em que ele cumpria pena no regime semiaberto, mas fugia durante a noite. No dia 5 de março, o assassinato teria sido executado por um segurança do traficante e um comparsa.

A Operação Paranoia mobilizou 200 policiais em Canoas, Nova Santa Rita e na Vila Santa Rosa, em Porto Alegre.

Imagens de câmera de segurança captam a execução de Mano Louco - DIÁRIO GAÚCHO.

Execução do traficante Irineu Antônio de Oliveira, o Mano Louco, 36 anos, no dia 5 de março de 2011, por Fábio Nóia e seus aliados. Mano Louco comandava o tráfico no Bairro Mathias Velho, em Canoas, até então.